10 de abr de 2011

Um nó na gramática

No sinônimo dos meus sentimentos, comecei a minha locução verbal e sai por aí a procurar antônimos, nos caminhos por onde andei. Parônimos, homônimos e homógrafos mais que perfeitos encontrei. Eles cruzaram e descruzaram a minha estrada, alguns demorarm um pouco a embarcar, outros desembarcarm cedo demais e assim, tudo ia, corria, seguia.

Não me importei quando cruzei com uma metáfora denotativa e/ou conotativa não sei ainda... o que sei é que essa batida mudou o rumo da minha vida. E, no intimo do meu ser, deixei-me encharcar das palavras derivadas, delicadas e primitivas que me dizias, as quais invadia o meu ser com a intensidade do raiar do dia, e nessa interjeição me perdi no pretérito imperfeito do seu ser, possuida por sua ortografia morfologica e substantiva que preenchia os meu dias de gêneros, números e graus adjetivos e reticentes e assim, nessa particularidade plural, descobri o artigo que me fazia  suspirar, sem palavras, predicados, locuções ou preposições. O adjunto do nada sei do meu ser. O ser, ou não ser....o nada de tudo de todo ser...o não sei. se sei  o gerúndio do infinitivo do verbo ser e, se assim houver foi assim que nesse infinito mergulhei..
E, o que sei é que: é superlativo afirmar que sem você, meu advérbio perdeu o rumo andando pra lá e pra cá, aquí e acolá, fugindo bem depressa de mim, dos meus conceitos desfeitos e refeitos, bem devagarzinho descobri numa preposição prepositiva, que somos a combinação de um só vocábulo. Mas, você não descobri ainda, que a minha oração aditiva depende da sua análise sintática que teima em não enxergar o verbo à sua frente e apenas investiga o pronome obliquo e esqueçe que o meu ser apassivador já foi, mas, não quer voltar a ser uma oração sem sujeito a minha próclise não merece a solidão de não ter o seu aposto colado ao meu vocativo.

By, Josy Nunes

6 comentários:

Anônimo disse...

Pôrra Meu! Voce não deu um nó, somente na gramática não!. Voce deu um nó, na minha cabeça! rs! rs!. E olha que não é fácil conseguir isso! Ufa! Tá louco Meu! Aposto que nessa hora, voce estava em transe. rs! Os outros, podem assinalar a reação (x)engraçada. Mas para mim, isso é muito sério. Nesse momento, eu só posso dizer... Obrigada! e Eu te amo.....Pôrra! Bjo grande, no seu coração.

Malu Muniz disse...

Caramba Josy!! Se não lhe conhecesse..e muito, diria que voce estava "cheirada" quando escreveu esse poema. Menina! Loucura! loucura!, loucura!. Essa pessoa para quem voce escreveu, deve se sentir PREVILEGIADÍSSIMA!, pois conseguiu, que voce realmente, desse um nó nas gramática!, Mas como diria a grande Ana Carolina...QUE SE DANE OS NÓS, o importante, é que voces sabem exatamente, o que tudo isso significa. Show! Agora minha amiga, tenta escrever esse poema, sem homógrafos, matáforas, próclise... deve ficar muito mais lindo!! rs! rs!
Bjo grande, no seu coração.
Olha! Fica ligada!. Na próxima quarta feira, é o dia mundial do BEIJO. O que nos aguarda, o "Beijos no Coração?". Será que teremos "Chumbo Grosso", com esse "termômetro de uma relação?". rs! rs!

Sérgio Santos disse...

Josy,achei sensacional essa ideia de transformar a gramática em declaração. O texto é do ano passado e meu comentário será com mais de um ano de atraso, mas tudo bem! rs beijos.

Blog Teia disse...

Olá.
seu blog é muito legal,super bem escrito, de muita qualidade mesmo, parabéns.
Um grande abraço !

António Jesus Batalha disse...

Olá , seu blog é muito bom, e desde já quero dar-lhe os parabéns, meu nome é: António Batalha, e quero deixar-lhe um convite, se quiser fazer parte de meus amigos virtuais no blog Peregrino E Servo ficarei muito radiante. Claro que irei retribuir seguindo também seu blog.Como sou um homem de Deus deixo-lhe a minha bênção. E que Seja feliz você e sua casa.

Anônimo disse...

ESTIVE AQUI, PARA MATAR A SAUDADE QUE SINTO DE VOCE....

Postar um comentário